fundo parallax

INVISÍVEL DÚVIDA

MEU ESPELHO
9 de Janeiro de 2017
Vizualizar imagem da Ideia

E agora em meio a esta total escuridão
O silêncio acaricia uma lágrima
Lenta, dolorosa, invisível
Rasgando de ponta a ponta
Esta esperança desbotada

Ao redor não existem saídas
Apenas portas seladas, janelas lacradas
E este abismo sem ponte
Que assisto em seu sono silencioso
E o mundo lá fora continua

E mesmo tendo que perseguir as lembranças
Meu amor permanece imóvel e aguarda calmamente
A escuridão se render a luz
E a luz preencher os pensamentos
Para sentir a alegria de apenas mais um dia

Quantos potes de ouro vale um afago sincero?
E quanto seria o troco para a triste realidade?
São dúvidas que desenham todo um caminho,
E alimentam todas as noites minha insônia

Muitos amores resolveram partir
E nunca mais faltou amor no mundo
E mesmo isso nunca foi calmante para a dor,
O coração sempre permaneceu dolorido
Mas nunca desistiu


2 Comentários

  1. solange disse:

    Muito legal. Este é meu tema constante, e tema do meu primeiro livro, a insônia, o silêncio, a escuridão.
    O abismo é tema do segundo livro…

  2. Laura disse:

    lindo texto! dúvidas impactantes e realmente sentidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *